26 janeiro 2011

AS PORTAS QUE ABRIL ABRIU - Ary dos Santos

3 comentários:

Juvenal Amado disse...

Dizer que não me arrepiei ao ouvir o Zé C. Ary dos Santos era mentir.
Ele conta como era, como foi e como desejaria que fosse.
As palavras deles são como água cristalina, para um povo sequioso.
Poeta por muitos considerado menor, era um poeta cheio que declamava como quem cavava a terra. Também ele foi um incontornável da libertação naquela madrugada.

Trás mais Filipe porque isto não é saudosismo é ansia pelo Futuro.

Hélder Valério disse...

... "isto não é saudosismo, é ânsia pelo Futuro", escreveu Juvenal Amado.

E acho que está muito bem aplicado. Realmente às vezes parece que as coisas se confundem, o passado e o presente, mas o que conta verdadeiramente é o Futuro.

Muito bem, Juvenal.

JSP disse...

As portas que Abril de 1974 abriu foram fechadas em Novembro de 1975, graças à corja que hoje partilha o poder.
Conseguiram matar a poesia que havia nas pessoas...